Ajustes táticos da Premier League

A Premier League tem sido continuamente um foco de inovação tática, onde os treinadores exercem a sua inteligência estratégica para enganar os seus adversários. É uma liga conhecida pelo seu caráter competitivo, onde o ajuste tático certo pode virar um jogo de cabeça para baixo ou influenciar uma temporada inteira.

Ao longo dos anos, houve momentos marcantes em que um ajuste gerencial fez toda a diferença, garantindo pontos cruciais e, em algumas ocasiões, impulsionando as equipes a triunfos icônicos.

Desde reforçar o meio-campo até colocar um jogador inesperado em posição de destaque, essas mudanças deixaram sua marca nas partidas e ficaram nos livros de história.

Como parte de nossa série de artigos sobre momentos históricos da Premier League , este artigo investiga os oito ajustes táticos mais bem-sucedidos na Premier League, explorando por que essas jogadas são reverenciadas e como moldaram o belo jogo.

Antes de darmos uma olhada nas nossas 8 escolhas, uma olhada na evolução das táticas da Premier League ao longo dos anos daria uma melhor compreensão do tema em geral.

Evolução das táticas da Premier League

A Premier League inglesa testemunhou uma mudança dinâmica nas táticas desde a sua criação em 1992. Esta evolução reflete o influxo de influência internacional e a natureza mutável do futebol em todo o mundo.

Nos primeiros anos, o jogo inglês era conhecido pelo seu estilo de ‘chutar e correr’, uma forma de futebol rápida e direta que favorecia passes longos e jogo físico. Os anos 90 foram dominados por times como o Manchester United comandado por Sir Alex Ferguson, que combinou velocidade e força com maior proficiência técnica.

O talento continental chegou quando dirigentes estrangeiros entraram na liga, trazendo abordagens estratégicas variadas. A chegada de Arsène Wenger ao Arsenal em 1996 foi um ponto de viragem, introduzindo uma abordagem baseada na posse de bola e um foco na dieta e na condição física que revolucionou o condicionamento dos jogadores.

Ler:  Neymar na Premier League: Um potencial caso Robinho?

O cenário táctico foi significativamente afectado quando José Mourinho assumiu o comando do Chelsea em 2004, incutindo uma estratégia defensiva estruturada combinada com contra-ataques rápidos. Seu sucesso destacou a importância da adaptabilidade e da preparação tática aprofundada.

A incorporação de estilos sofisticados, como o tiki-taka, reflete a mudança da liga em direção a um jogo orientado para a posse de bola. A ascensão desta técnica, conhecida pelos passes curtos e movimentação, é uma prova da adaptabilidade da liga.

Mais recentemente, Pep Guardiola e Jürgen Klopp representaram a inovação tática na Premier League. Sob a sua orientação, Manchester City e Liverpool empregaram jogo de alta pressão, energia intensa e padrões de ataque criativos que redefiniram as expectativas do futebol britânico.

  • 1992-1996: Tradicional ‘chutar e correr’
  • 1996-2004: Introdução do futebol de posse continental
  • 2004-Atual: Estruturas defensivas e alta pressão

Estas mudanças destacam a estratégia da liga cada vez mais complexa, com uma clara ênfase na flexibilidade tática e na habilidade técnica.

Agora, podemos dar uma olhada nas oito reconfigurações táticas de maior sucesso que a Premier League viu nos últimos tempos.

1. A mudança de Sir Alex Ferguson para um meio-campo diamante (2012-2013)

Na última temporada de Sir Alex Ferguson no Manchester United, ele introduziu um meio-campo diamante para acomodar Robin van Persie, Wayne Rooney, Shinji Kagawa e Danny Welbeck.

Essa mudança do tradicional 4-4-2 permitiu ao United controlar melhor o meio-campo e deu mais apoio a van Persie, que terminou a temporada como o artilheiro da liga. O ajuste tático levou o United ao 20º título da liga, mostrando a adaptabilidade de Ferguson mesmo em seus últimos dias como técnico.

2. Formação 3-4-3 de Antonio Conte no Chelsea (2016-2017)

Depois de uma derrota humilhante por 3 a 0 para o Arsenal, Antonio Conte trocou o Chelsea do 4-1-4-1 para o 3-4-3. Esta mudança solidificou a defesa do Chelsea e deu-lhe mais dinamismo no ataque, levando a uma sequência de 13 vitórias consecutivas. A formação trouxe o melhor de jogadores como Eden Hazard, Diego Costa e N’Golo Kanté, levando o Chelsea à conquista do título da Premier League naquela temporada.

Ler:  Principais escolhas da FPL para a semana 25

3. Falsos 9 de Pep Guardiola no Manchester City

Pep Guardiola empregou frequentemente o papel de ‘Falso 9’ no Manchester City, principalmente em jogos importantes onde dominar o meio-campo era crucial. Ao usar Kevin De Bruyne ou Bernardo Silva nesta função, o City sobrecarregou os adversários com sua movimentação fluida e posse de bola. Esta nuance tática foi fundamental nos vários títulos da liga do City sob o comando de Guardiola, mostrando sua abordagem inovadora ao jogo.

4. Invencíveis de Arsène Wenger (2003-2004)

A configuração tática de Arsène Wenger durante a temporada 2003-2004, que viu o Arsenal permanecer invicto no campeonato, foi uma aula magistral de equilíbrio e flexibilidade.

O 4-4-2 de Wenger, com Thierry Henry e Dennis Bergkamp na frente, não se resumia apenas ao futebol ofensivo; foi estruturado em torno de um meio-campo sólido e uma defesa disciplinada, provando que o brilhantismo tático tem tanto a ver com organização e equilíbrio quanto com talento.

5. Leicester City de contra-ataque de Claudio Ranieri (2015-2016)

O Leicester City de Claudio Ranieri, contra todas as probabilidades, venceu a Premier League em 2016 ao adotar um estilo de contra-ataque implacável. Esta abordagem tática foi perfeita para a velocidade de Jamie Vardy (incluindo seu talento aparentemente instintivo para jogar no ombro do último defensor) e a criatividade de Riyad Mahrez. Os ajustes de Ranieri, incluindo uma defesa compacta e transições rápidas, transformaram o Leicester em campeão e mostraram a eficácia de um contra-ataque bem executado.

6. Masterclass defensiva de José Mourinho no Chelsea (2004-2005)

A primeira temporada de José Mourinho no Chelsea estabeleceu um recorde de menor número de gols sofridos em uma temporada da Premier League (15 gols). O ajuste tático de Mourinho foi empregar uma linha defensiva alta, com pressão agressiva e transições rápidas. Isso não apenas garantiu o título ao Chelsea, mas também redefiniu as táticas defensivas da Premier League.

Ler:  José Mourinho ansioso para contratar a estrela do Man Utd para a Roma neste verão

7. Liverpool de alta pressão de Jurgen Klopp (2018-2019)

A introdução de um sistema de alta pressão por Jurgen Klopp no Liverpool revolucionou o estilo de jogo do time.

Ao ganhar a bola de forma agressiva no alto do campo, o Liverpool poderia capitalizar os erros dos adversários, levando a ataques rápidos e diretos. Essa tática foi fundamental na vitória da Liga dos Campeões de 2018-2019 e no triunfo do título da Premier League na temporada 2019-2020.

8. 3-5-2 de Roberto Mancini no Manchester City (2011-2012)

Nos estágios finais da temporada 2011-2012, Roberto Mancini mudou para uma formação 3-5-2 para conquistar o título da Premier League. Este ajuste tático permitiu ao City utilizar seus zagueiros de forma mais eficaz no ataque, mantendo a solidez defensiva, culminando em uma dramática conquista do título no último dia da temporada.

 

Share.
Leave A Reply