Quando tive a ideia desta peça, Brendan Rodgers havia acabado de ser despedido do Leicester City, tornando-se o décimo primeiro técnico a ser dispensado de seu cargo na Premier League na temporada 2022/23.

Horas depois, Graham Potter seguiria o exemplo como o décimo segundo.

Onze demissões em uma temporada já é um recorde, para não falar de doze. Isso levanta a questão: os clubes da Premier League são imaturos ou estão – como dizem os aficionados da mídia social – “cozinhando alguma coisa”?

Exploraremos ambos os ângulos nas seções seguintes desta peça.

As demissões da Premier League 2022/23

Antes da muito selvagem temporada 2022/23, o maior número de demissões que já aconteceu na Premier League em uma temporada foi 10. Isso aconteceu em quatro ocasiões: 2008/09, 2013/14, 2017/18 e 2021/22.

Agora, a Premier League é conhecida por ser um terreno difícil para os gerentes, mas em todas essas temporadas, 10 demissões pareceram um pouco demais para os fãs e especialistas. 22/23 veio agora para provar que as coisas podem ficar ainda piores (ou melhores, dependendo de como você escolher olhar para isso) quando se trata de exigências feitas aos treinadores que ousam pisar no ringue do futebol da primeira divisão inglesa.

Começando com a demissão de Scott Parker pelo Bournemouth em 30 de agosto, apenas três semanas após o início da temporada, houve uma média de uma demissão por mês desde então.

Em setembro, Thomas Tuchel deixaria o Chelsea por uma série de jogos ruins (pode-se argumentar que a demissão do alemão foi uma demonstração de poder dos novos donos do clube, que começaram a desmantelar tudo o que ainda ligava o clube a Roman Abramovich em seu primeiro três meses), e em outubro aconteceriam duas demissões.

Ler:  Classificando os melhores meio-campistas da Premier League de todos os tempos

Primeiro, foi o Wolverhampton Wanderers se separando de Bruno Lage em 2 de outubro por não conseguir garantir resultados, embora o time estivesse jogando bem o suficiente, depois o Aston Villa seguido por dispensar Steven Gerrard, que rapidamente aprendeu que administrar na Inglaterra não é o mesmo que administração na Escócia.

Ralph Hasenhuttl deixaria Southampton em novembro, antes que a Copa do Mundo FIFA de 2022 desse a todos os outros gerentes uma trégua em dezembro. Everton faria a bola rolar novamente com a expulsão de Frank Lampard, que é uma das poucas demissões cuja ocorrência foi unanimemente considerada por todos como a mais merecida.

Em fevereiro, Jesse Marsch deixaria o Leeds algumas semanas depois de contratar seus jogadores preferidos na janela de transferência de janeiro e não ter a chance de trabalhar com eles, e o Southampton demitiria seu segundo técnico da temporada, o novato Nathan Jones, cuja corrida foi tão sombrios quanto eles vêm.

Patrick Vieira e Antonio Conte fariam as manchetes em março por suas demissões dos clubes londrinos Crystal Palace e Tottenham Hotspur, antes de Rodgers e Potter roubarem as manchetes em 2 de abril.

Alguns gerentes ainda estão sob o microscópio, levando a noções de que pode haver mais demissões em abril, com o final da temporada a menos de 12 semanas.

Esses saques realmente funcionam?

O futebol joga-se no relvado (e nas instalações de treinos das várias equipas profissionais) mas fora dele há sempre discussões sobre o que acontece ou deveria acontecer.

Algumas dessas discussões influenciam as decisões que os dirigentes da equipe tomam: quais jogadores devem ser contratados, como devem ser as camisas da nova temporada e quais gerentes precisam ser expulsos.

Ler:  Analisando as top 10 hipóteses do Brentford na Premier League 2022/23

Não se sabe quanta influência forças externas como os torcedores do time e a mídia têm na tomada de decisão dos patrões, mas é certo que seu pulso é sentido para tomar decisões.

As demissões mais recentes de Potter e Rodgers são um grande exemplo do pulso dos fãs e da mídia sendo sentido. Essas decisões, quando tomadas, também apontam para o fato de que os dirigentes dos clubes estão tentando conquistar os torcedores e a mídia capitalizando o fenômeno do “retrocesso do novo técnico”.

Para os não iniciados, o fenômeno é o que ocorre quando um novo técnico traz uma nova energia, aura, disciplina e interação com a mídia para o clube que os estimula a um resultado positivo após o outro.

Na história recente, a nomeação de Unai Emery após a demissão de Gerrard do Aston Villa é um bom exemplo. Retrocedendo um pouco, podemos apontar para a nomeação de Tuchel após a demissão de Lampard no Chelsea, que levou a uma sequência impressionante que trouxe alguns títulos de escolha para Stamford Bridge.

O problema? Das últimas 15 demissões da Premier League, apenas seis funcionaram e dessas seis, nenhuma funcionou a longo prazo (dois anos ou mais). Fica ainda pior quando você reduz para o final da temporada.

Das últimas 39 demissões feitas em fevereiro ou março, apenas sete foram sucessos de curto prazo. Esta é uma estatística terrível que, de alguma forma, os chefes do clube tendem a perder ao tomar suas decisões.

O futebol é amado por sua imprevisibilidade e os patrões também sabem disso, por isso correm os riscos que correm. Há muito a ser dito, no entanto, sobre o ambiente que leva a essas demissões arbitrárias.

Ler:  Qual é o legado do Harry Kane do Tottenham Hotspur?

O veredicto final

A Premier League é incomparável em muitas áreas, especialmente o alcance que leva a muitas forças externas que desejam ter uma palavra a dizer no tipo de futebol que desejam ver.

Isso cria um ambiente hostil que gera impaciência e torcedores tóxicos que têm acessos de raiva à menor queda, e especialistas da mídia que são rápidos em criticar um gerente se suas opiniões sobre como um time deve ser administrado não forem tomadas como gancho, linha e chumbada.

A mania de sucesso no cenário europeu também é um grande fator contribuinte, já que a Premier League em toda a sua glória não foi capaz de produzir muitos campeões europeus em todos os níveis.

As demissões são em sua maioria reacionárias e os clubes farão com um pouco de paciência porque o futebol, como a vida, é uma instituição que costuma ser construída de baixo para cima.

Share.
Leave A Reply