O futebol da liga na Inglaterra viu todos os tipos de jogadores irem e virem.

Alguns ganharam títulos, enquanto outros ganharam notoriedade por muitas ações. Outros passaram a se tornar, o que é chamado no jargão da mídia social, jogadores “as ruas não vão esquecer”, enquanto outros passaram a marcar um lugar no coração dos fãs.

Neste artigo, vamos dar uma olhada naqueles jogadores cujo tempo na liga pode ser melhor descrito como uma confusa perda de tempo e espaço.

Goleiro: Costel Pantilimon

Costel Pantilimon mede 1,80 m e, em sua época, foi o maior goleiro da liga. Na verdade, ele é o goleiro mais alto da história do futebol inglês. Infelizmente, o grande homem tinha apenas seu tamanho a seu favor e nada mais.

Ele teve a chance de substituir Joe Hart entre os tacos do Manchester City na temporada 2013/14, que foi uma temporada de conquista do título para o City.

No entanto, destacou-se pelos muitos erros cometidos na baliza, apesar da equipa ter acabado por conquistar o título.

Ele iria para Sunderland, onde sua propensão a erros continuou antes de finalmente deixar a Inglaterra após outra passagem desastrosa em Watford.

Pantilimon é agora o gerente do Politehnica Timișoara, equipe onde iniciou sua carreira profissional. Tendo tido a carreira que teve, ele certamente garantirá que seus goleiros sejam os mais sólidos possíveis.

Defensor: Mamadou Sakho

Imagine ser capitão do Paris Saint-Germain antes de completar 23 anos. Imagine ter tanto talento que chega a 25 partidas pela seleção antes de completar 24 anos.

Esta foi a história de Mamadou Sakho, que assinou pelo Liverpool em 2013.

Brendan Rodgers, técnico da equipe na época, o via como um daqueles que anunciariam o futuro do Liverpool nos “próximos dez anos”. Ele não apenas estava errado, mas Sakho não passou cinco anos no clube antes de se transferir para o Crystal Palace.

O problema começou quando o Liverpool sofreu 50 gols na temporada 2013/14 com Sakho no centro da defesa. Para a sorte de Rodgers, seu ataque, comandado pelo mercurial Luis Suárez, vinha marcando muito mais no gol adversário.

Isso encobriu as rachaduras deixadas por Sakho e quando Rodgers começou a contar muito mais com seus veteranos Martin Skrtel, Daniel Agger e Kolo Toure, ficou óbvio que Sakho não duraria em Anfield.

O jogador de 33 anos está lentamente encontrando seus pés na França com o Montpellier.

Defensor: Guy Demel

A falha do zagueiro marfinense em se adaptar ao futebol da Premier League o coloca nesta lista.

Ele ingressou no West Ham United em 2011 e imediatamente assumiu o cargo de lateral-direito titular do clube, graças à sua versatilidade na defesa. Isso foi um sinal de alerta, porque ele fez nome como zagueiro na Alemanha, onde jogou pelo Hamburger SV e pelo Borussia Dortmund antes de ingressar nos Hammers.

Ler:  O Liverpool prepara-se para completar a contratação de Darwin Nunez – O que ele vai trazer aos Reds?

Suas atuações como lateral-direito do time de West London os ajudaram a ser promovidos à Premier League em 2013/14. Com grandes saltos como esse, espera-se que os clubes façam compras.

Agora com uma lateral direita adequada, Demel não conseguiu conquistar uma vaga nem na sua posição natural nem na lateral direita, onde havia substituído nas últimas duas temporadas. Ele também fez apresentações muito calamitosas quando chamado.

Ele foi lançado em 2015 e agora está aposentado do esporte.

Defensor: Juan Cuadrado

Os clubes de futebol começaram a investir pesadamente em psicólogos e psicoterapeutas esportivos e por boas razões.

Impedir que o clube lide com jogadores como o utilitário colombiano Juan Cuadrado é um desses motivos.

Tendo talento suficiente para se manter como ala, zagueiro, meio-campista central e meio-campista defensivo, o Chelsea estava nas nuvens quando o contratou por £ 23,3 milhões da Fiorentina em 2015.

Contratado principalmente como zagueiro, ele deveria entrar direto no time. No entanto, após atuações caracterizadas por visível medo, perdeu o lugar e o pedigree aos olhos dos dirigentes, que não souberam como tirá-lo da cabeça.

Ele venceu a Premier League em sua primeira temporada, mas não correspondeu às expectativas e foi enviado para a Juventus em 2017, onde desde então recuperou a confiança e está jogando no nível esperado dele no Chelsea.

Defensor: Alexander Büttner

Um dos jogadores desta lista cujo talento era tanto que as guerras de lances aconteceram por ele, o lateral-esquerdo holandês Alexander Büttner foi visto como o substituto perfeito para Patrice Evra na lateral-esquerda do Manchester United.

Ele marcou em sua estreia pelos Red Devils, levando a conversas sobre sua permanência no clube por um longo tempo e deixando o tipo de legado que Evra deixou em seu tempo em Old Trafford.

A partir daí, tudo piorou e logo ele nem foi considerado para os times da rodada. O ex-jogador está atualmente na segunda divisão da liga holandesa de futebol, após uma carreira de jogador que o viu passar no máximo uma temporada nos clubes em que jogou.

Meio-campista: Jack Rodwell

Assim como Büttner, Rodwell era visto como o futuro do meio-campo na Inglaterra.

Ele fez comparações com todos os grandes meio-campistas dos anos 2000 e início de 2010 e, aos 21 anos, era considerado tão bom ou melhor do que alguns deles.

Isso levou a administração perdulária do Manchester City a desembolsar £ 15 milhões para seu clube de infância, o Everton, em 2012.

Ler:  Campeões do Título da Premier League: Quem tem mais troféus

Ele estava fora de casa em 2014, após uma série de jogos decepcionantes para o City, em uma época em que eles estavam começando a dominar todo o futebol inglês.

Ele seguiria para o Sunderland e contribuiria imensamente para sua pior corrida na primeira divisão. Eles escapariam do rebaixamento naquela temporada ao obter resultados em jogos que Rodwell perdeu, mas caíram rapidamente na temporada seguinte conforme ele participava cada vez mais do time.

Ele está atualmente na Austrália com o Sydney FC.

Meio-campista: Ravel Morrison

Ravel Morrison é outro garoto-prodígio que teve uma carreira nada assombrosa.

Anunciado como o substituto de Cristiano Ronaldo quando o português trocou o Manchester United pelo Real Madrid em 2009, Morrison sempre esteve na mídia.

Sir Alex Ferguson, o técnico do Manchester United na época, o convenceu e insinuou que não havia jogadores melhores na Inglaterra do que Morrison.

Infelizmente, ele iria desaparecer no United e eventualmente se mudar para o West Ham United no Campeonato EFL.

Os Hammers foram promovidos à primeira divisão e manteriam a fé em Morrison, que os recompensaria com exibições ruins e constantes problemas com a mídia.

Ele também não impressionaria lá, passando a maior parte dos três anos em que esteve no clube por empréstimo antes de finalmente deixar a Inglaterra em 2015.

Atualmente, ele está sem clube de futebol após ser dispensado pelo DC United na MLS.

Meio-campista: Kim Källström

No que diz respeito aos empréstimos malfadados, o meio-campista sueco Kim Källström é o jogador com melhor classificação nesta lista.

Tendo feito nome em toda a Suécia, França e Rússia, bem como na seleção sueca, Arsene Wenger queria ver como ele se adaptaria ao jogo inglês e o contratou para o restante da temporada 2013/14 por empréstimo na janela de transferências de janeiro.

A decisão de não contratá-lo permanentemente significa que é seguro dizer que foi um fracasso. No entanto, o meio-campista afirmou que os seis meses que passou no Arsenal foram um dos melhores momentos de sua carreira.

Infelizmente, os torcedores do Arsenal não pensam o mesmo.

Atacante: Aleksandar Tonev

Compilações de futebol podem ser enganosas.

Os torcedores os usam como propaganda para seus jogadores favoritos e olheiros/agentes às vezes os preparam para apoiar um jogador que eles representam ou um jogador no qual desejam que seus clubes invistam.

É com base em uma compilação de jogadas de Aleksandar Tonev que o Aston Villa gastou dinheiro para contratá-lo do Lech Poznań. Ele chamou a atenção deles por seu ex-companheiro de equipe na seleção da Bulgária, Stiliyan Petrov, que se aposentou como favorito dos torcedores do Aston Villa e era técnico de desenvolvimento do clube na época.

Ler:  Harry Kane 'construi mansão a 15 milhas do campo de treinamento do Chelsea

Villa cometeu o erro de confiar nas compilações e partiu para o lateral. Ele acabou jogando um total de 17 jogos para eles em 2013/14 antes de ser emprestado ao Celtic e depois ao Frosinone permanentemente na temporada 2015/16.

Atualmente, ele está aposentado aos 33 anos, após uma série de passagens nada assombrosas em alguns outros clubes.

Atacante: Ahmed Musa

A entrada de Ahmed Musa no Leicester City pareceu uma mudança impressionante para os Foxes e para o nigeriano, que se tornou o favorito dos torcedores em sua primeira passagem de quatro anos pelo clube russo CSKA Moscou.

Ele também foi uma das luzes brilhantes da Copa do Mundo da FIFA 2014, apesar do fracasso da Nigéria em passar das oitavas de final.

Isso levou Claudio Ranieri a tomar a decisão de contratá-lo para o time que acabara de vencer a Premier League em uma sequência milagrosa de 2015/16. No entanto, a mudança nunca deu certo para o nigeriano e ele foi discretamente emprestado de volta ao CSKA Moscou em janeiro de 2018, antes de ser vendido para o time da Arábia Saudita Al-Nassr no verão daquela temporada.

Como a maioria nesta lista, Musa ocupa um lugar não por sua habilidade, mas por sua adaptabilidade ao futebol da Premier League. Mas, ao contrário da maioria da lista, ele assume uma vaga por estar no time errado e, possivelmente, na hora errada.

Atacante: Yaya Sanogo

Um dos jogadores que caracterizou o fracassado projeto juvenil de Arsene Wenger do final dos anos 2000 ao início dos anos 2010 é o atacante francês Yaya Sanogo.

Contratado do Auxerre na liga francesa após uma partida promissora na Copa do Mundo Sub-20 da FIFA 2013, vencida pela França, esperava-se que ele, como seu então companheiro de equipe Paul Pogba, batesse o pé no Arsenal.

Tudo acabou sendo um sonho para os torcedores de Wenger e do Arsenal, que testemunharam calamidade após calamidade sempre que Sanogo teve a oportunidade de jogar pelo clube na liga ou nas competições da copa.

Sanogo foi tão ruim que seu primeiro gol na liga como jogador sênior veio em 2018, um ano depois de ter sido dispensado pelo Arsenal e contratado pelo Toulouse.

Ele está atualmente no Urartu, time da primeira divisão armênia, e parece que deixará o esporte em breve, com sua maior conquista sendo uma internacional jovem talentosa.

Share.
Leave A Reply