Para as maiores e melhores equipas, ganhar é tudo. Apesar de um desporto como o futebol, as vitórias serem ganhas e não dadas, há equipas que ainda vêem a vitória como um direito de nascença.

Época após época, os adeptos chegam ao estádio ou assistem em casa em grande número à espera que a sua equipa seja vitoriosa. Algumas equipas ganham jogando um tipo de futebol que é muito superior aos seus adversários, enquanto outras procuram dominar o jogo sufocando a oposição e alcançando o mesmo resultado.

Os fiéis que assistem sabem o que esperar porque este estilo de futebol é aquele que trouxe os inúmeros resultados, inúmeras vitórias, muita alegria e, mais importante, troféus.

Mesmo no mundo do futebol, a hierarquia das equipas no topo da modalidade já foi decidida, há momentos na sua história em que a vitória para. Chega um período em que a equipa já não é tão reconhecível como antes e os jogadores que outrora deram tudo em campo começam a declinar.

A mentalidade destes jogadores entra em causa e os adeptos que os viram ganhar jogo após jogo expressam a sua frustração depois de um período em que não estão a ganhar tão consistentemente como antes.

Há várias razões para esta ocorrência que acontece a todas as grandes equipas.

Sobrecarga progressiva ao longo das temporadas

Jogar e ganhar ao mais alto nível significa que o requisito de jogadores é sempre difícil. Como uma equipa com ambições enormes de ganhar todos os jogos e ganhar todos os troféus, quanto mais progredires em torneios da Taça, mais jogos serás obrigado a jogar a cada temporada.

As melhores equipas têm os melhores jogadores que jogam nos maiores jogos, especialmente no final da temporada. Quando se inclui a possibilidade destes jogadores representarem os seus países em torneios internacionais, chega-se a um ponto em que a fadiga e até as lesões entram em jogo.

Ler:  Por que o Sancho tem lutado até agora no United e por que Ten Hag poderia mudar que

Um exemplo de uma equipa de sucesso que luta com isso agora é o Liverpool. Era uma vez e não há muito tempo, a Premier League era dominada pelo Liverpool e pelo Manchester City, mas desta vez é uma história diferente.

Depois de uma temporada em que jogaram todos os jogos que podiam em todas as competições, esta temporada viu os Reds parecerem letárgicos e declinarem nos resultados e no desempenho.

As lesões que acumularam esta temporada também não ajudaram a sua causa e parece que podem terminar a temporada fora dos quatro primeiros lugares se não encontrarem alguma forma em breve. Neste momento, Manchester City e Liverpool parecem duas equipas completamente diferentes.

Ganhar cria complacência

No início de um ciclo vencedor bem-sucedido, a fome e o desejo de perseguir o sucesso está provavelmente no seu auge. É um momento em que temos um grupo de jogadores que são na sua maioria jovens e cheios de talento que têm o desejo de ser os melhores com o objetivo de deixar um legado duradouro individual e coletivamente.

Essa fome é insubstituível e é por isso que quando as equipas continuam a ganhar e a ganhar, chega um ponto em que se tornam complacentes.

A complacência quando se está no topo vem com o território, mas quando se está no topo da montanha, todos querem a sua coroa e há sempre um novo desafiante.

A soma de 50 pontos do Arsenal nos primeiros 19 jogos da temporada viu-os tornarem-se desafiantes improváveis no título esta temporada.

Os jogadores mais jovens do Arsenal também estão a desempenhar com níveis elevados e isso é mais um testemunho do projeto que Mikel Arteta está a construir.

Ler:  Como o Leicester City caiu tão baixo desde a vitória na Premier League em 2016?

São uma equipa jovem que joga, sem dúvida, o melhor futebol da Inglaterra neste momento e não mostra sinais de abrandamento.

O Manchester City, segundo classificado, conquistou quatro dos últimos cinco títulos da Premier League. Os Citizens estão a ter uma boa temporada, mas têm dado sinais de complacência que têm sido notados por Pep Guardiola.

Depois da vitória por 4-2 frente ao Tottenham Hotspur, descreveu a equipa como uma equipa que estava “sem coragem, paixão, fogo e desejo de vencer desde o primeiro minuto”.

Estas palavras de crítica foram feitas para acender um fogo nos seus jogadores para o desafio que se avizinha, mas resta saber se a sua crítica vai pressionar o City a anular a atual diferença entre eles e o Arsenal.

Relações fraturadas entre jogadores e treinador

Depois de ter conquistado três troféus consecutivos na UEFA Champions League com o Real Madrid, Zinedine Zidane anunciou a sua decisão de deixar a equipa espanhola. Esta notícia foi um choque para todo o mundo do futebol que tinha testemunhado a equipa de Zidane realizar um feito que não tinha sido alcançado nos últimos tempos. As pessoas lutaram para compreendê-lo, mas Zidane explicou a sua decisão de sair.

“Os jogadores precisam de uma mudança. Quero agradecer-lhes também, pois no final são eles que lutam em campo. Este é um clube exigente, não é fácil para eles, com esta grande história. Queremos sempre mais dos jogadores, e chega um momento em que não lhes posso pedir mais. Precisam de outra voz para voltarem a ganhar. Se não vejo claramente que vamos continuar a ganhar, chega um momento em que dizes: “É melhor ir embora.”

Quando um treinador está no comando dos mesmos jogadores durante muito tempo, existe a possibilidade de que as suas palavras e estilo já não sejam suficientes para motivar os seus jogadores. Neste momento, o clube tem de tomar uma decisão e escolher entre mudar os jogadores ou deixar o treinador ir, mas neste caso foi a decisão de Zidane sair.

Ler:  Gabriel Jesus para o Arsenal: O que o brasileiro vai trazer aos Gunners?

Numa escala menos bem sucedida, o Tottenham Hotspur viveu os seus melhores anos sob o comando de Mauricio Pochettino. Jogaram alguns dos melhores futebol do campeonato durante o seu tempo no comando, mas foi despedido em 2019, poucos meses depois de ter liderado o Clube do Norte de Londres a uma final da UEFA Champions League.

Ao contrário de Zidane, que tomou a decisão de sair, o treinador argentino pediu uma reconstrução porque provavelmente tinha a mesma sensação de que as suas ideias podem já não servir de fonte de motivação para os seus jogadores. A reconstrução não aconteceu e ele e o clube separaram-se.

Chega um momento durante o sucesso do clube que a equipa tem de passar por uma revisão do plantel. Seja porque os jogadores mais importantes já passaram do seu auge ou foram transferidos para outras equipas, os ciclos de sucesso chegam ao fim.

Alguns dos maiores treinadores que passaram muito tempo num clube enquanto foram bem sucedidos supervisionaram várias revisões do plantel.

Isto permite-lhes a transição entre diferentes épocas enquanto estão num clube. Sir Alex Ferguson ficou famoso por transferir jogadores-chave como Ruud Van Nistelrooy e David Beckham enquanto estavam no auge e que continuavam a ter sucesso independentemente disso.

O tempo no futebol não fica parado para um desporto que cresce todos os dias. Para se manter consistente, tem de planear o futuro no presente para garantir que o sucesso dure.

Share.
Leave A Reply