Em fevereiro de 2022, logo após a janela de transferências de janeiro (inverno), Paul Scally, o presidente do Gillingham FC, um clube da Liga Inglesa de Futebol, o quarto escalão do futebol inglês, falou-se contra a Premier League.

A sua declaração, ou melhor, o seu grito, foi sobre os gastos obscenos da Premier League na janela de transferências, num período em que algumas das divisões inferiores estavam a lutar para se manterem à tona.

Podias recordar se que, nesse mesmo mês de janeiro, Bolton Wanderers teve de ser salvo pelo governo do Reino Unido de entrar em administração pela segunda vez em três anos. Recorde-se também que o Derby County FC esteve na administração e, como resultado, perdeu 21 pontos, o que efetivamente os relegou do Campeonato para a League One.

Por fim, lembra-se* que o Bury FC, um dos clubes de futebol mais antigos de Inglaterra, foi expulso do futebol inglês em 2020 devido às suas finanças.

Nada disto tem importado para os clubes que jogam na principal divisão do futebol inglês, que continuam a gastar enormes quantias de dinheiro para adquirir jogadores e funcionários destes pequenos clubes, arruinando-os efetivamente.

Os números obscenos dos gastos da Premier League

Na janela de transferências de janeiro, os clubes da Premier League gastaram 295 milhões de libras combinadas em transferências. Este é o valor mais alto gasto na janela de inverno por qualquer liga profissional de futebol na Europa. Mais interessante ainda, na última década, a Premier League gastou mais dinheiro em transferências do que os top 5 ligas europeias.

A Premier League gastou mais de 5 bilhões de libras em taxas de transferência, são quase dez vezes superiores ao montante gasto por outras ligas nos últimos dez anos. O principal contribuinte para este valor é o Manchester United, cujos mil milhões de libras gastos em jogadores no último década não só não lhes conseguiram qualquer tipo de elogio no futebol inglês ou europeu, mas apenas serviram para tornar o mercado de transferências, especialmente em Inglaterra, com as equipas em dificuldades, muito mais difícil de navegar.

Ler:  O problema de Saliba no Arsenal: ele é o jogador mais importante?

Jogadores como Paul Pogba, Harry Maguire, Jadon Sancho, Romelu Lukaku, Angel Di Maria e Anthony Martial vieram todos a Old Trafford por quantias superiores a 50 milhões de libras. A taxa de 89 milhões de libras de Pogba na altura bateu o recorde de transferências, enquanto a Maguire também bateu a taxa recorde mundial de uma defesa.

Os números são igualmente enormes para os gostos de Chelsea, Manchester City, e Arsenal, que conseguiram manter-se fora do radar, mas que têm gasto regularmente quantias obscenas para jogadores na janela de transferências nesse período.

Analisando os números da janela de transferência de janeiro de 2022

Embora seja injusto exigir que os clubes não façam o que consideram necessário para melhorar o seu estatuto no futebol e beneficiar financeiramente – o futebol é, afinal, um negócio. É ainda mais injusto que no “jogo do povo”, as “pessoas” não possam participar porque outros querem usar os seus recursos para os manter em baixo.

O Liverpool gastou 50 milhões de libras com um único jogador, Luis Diaz, que foi o maior negócio de transferências da janela de janeiro de 2022. Isto segue-se ao seu negócio de 75 milhões de libras com Virgil Van Dijk, em janeiro de 2018, que continua a ser a transferência mais cara numa janela de inverno, de sempre. O Newcastle contratou cinco jogadores por um total de 95 milhões de libras.

Estes clubes investiram e estão a obter retornos sobre o seu investimento. No entanto, a declaração do senhor deputado Scally no fim de Janeiro para o tabloide britânico, The Mirror, coloca-a numa melhor perspetiva.

O presidente do Gillingham disse: “Vi os números, o que foi gasto em janeiro – e não podia acreditar. É inacreditável e obsceno, especialmente quando se recusam a negociar qualquer tipo de solidariedade ou reestruturação da distribuição financeira para a pirâmide do futebol.

Ler:  Principais escolhas da FPL para a semana 34

“Um adepto de qualquer clube da Premier League não deve sentir-se confortável com isso. A minha consciência não me permitiria apoiá-los e tolerar o que está a acontecer. É repugnante.

“O relatório do Tracey Crouch é inflexível e muito condenável sobre os problemas e parece-me até agora que a Premier League e os seus clubes não estão a aceitar as suas responsabilidades ou a fazer alguma coisa em relação a isso.

“Eles passaram a gastar tanto dinheiro que vão adoecer todos os fãs do país. E certamente todos os fãs de um clube da EFL. É pior do que nojento, é obsceno e mostra a sua arrogância para o relatório da Tracey Crouch.

“Se o Governo não se envolver em breve e garantir que a Premier League é sancionada e, de facto, é regulada com todas as competências restantes ao regulador, porque claramente não têm intenção de vir à mesa por sua própria vontade.”

O que é o relatório Tracey Crouch?

Os relatórios de Tracey Crouch são um grupo liderado por fãs que surgiu como o resultado da morte de Bury FC. O relatório descreve a desigualdade existente no futebol inglês e como a necessidade de um regulador pode ajudar a reduzir os gastos que poderiam eventualmente criar um grande problema de sustentabilidade no jogo.

Muitos clubes da Premier League opuseram-se como esperado, mas as discussões continuam no Reino Unido. Mas o facto de ter havido necessidade de tal relatório mostra o quanto a riqueza dos grandes clubes criou uma bolha tão instável que a sua queda poderia criar ondas de choque que verão toda a instituição colapsar.

Como afetou outras ligas

Outro argumento pode ser tido para os clubes ingleses de topo não serem a única liga a gastar enormes quantias de dinheiro. No entanto, um breve olhar para a história do mercado de transferências e do dinheiro no futebol mostrar-lhe-á que foram os clubes ingleses que pagaram pela primeira vez em centenas, milhares, milhões e dezenas de milhões por um único jogador.

Ler:  Vinícius; Um talento brasileiro geracional

Clubes como Real Madrid, Barcelona, Juventus e Paris Saint-Germain são notórios pela sua gastos no mercado. Estão dispostos a gastar o que for preciso e os clubes da Premier League também se beneficiaram disso. O Manchester United recebeu quase 90 milhões de libras por Cristiano Ronaldo. O Tottenham Hotspur recebeu mais de 90 milhões de libras por Gareth Bale. Estes são apenas alguns exemplos.

No entanto, eles parecem estar numa competição com estes outros clubes das outras ligas para gastar mais em todas as temporadas. Estes clubes concentram-se em um ou dois jogadores para tais contratações, mas você encontra que os clubes da Premier League compram vários jogadores ao mesmo tempo, cada um custando quantias exorbitantes.

Outras ligas também têm alguma forma de regulamento que os vê colocar um limite salarial para os seus jogadores e funcionários para garantir que o que gastam no total por uma temporada não exceda determinados montantes. A Premier League não tem isso, e é por isso que um clube como o Man City pode ter vários jogadores com salários de mais de £200.000 por semana.

Isto faz com que outras ligas percam rapidamente os seus talentos e se esgotem, e o mercado se torne volátil.

Conclusão

O futebol está a caminho da implosão devido aos gastos da Premier League. Em breve, não haverá mais jogadores para comprar porque os clubes não podem pagá-los.

O medo da Superliga Europeia é genuíno, mas a Premier League já funciona com um modelo semelhante e precisa ser verificada antes que fique fora de controle.

Share.
Leave A Reply