Sem dúvida, Pep Guardiola será um dos melhores treinadores para agraciar o jogo. Os seus registros falam por ele e não é por acaso que ele tem um rasto de sucesso onde quer que tenha estado.

No Barcelona, criou um estilo invejável de ver, tornando o ‘tiki-taka’ famoso em todo o mundo, enquanto dominava o futebol espanhol e a frente europeia também. No Bayern de Munique, fez mais do mesmo, batendo vários recordes e mostrando que o seu sucesso no Barcelona não foi um acaso.

Ao serviço do Manchester City, a jogar na “liga mais difícil” do mundo, Guardiola tem feito trabalho ligeiro na Premier League e continuou com a sua marca de recordes estrondosos mais uma vez. Desde que ingressou no clube, em 2016, levou-os a um novo nível no futebol inglês, onde estão no topo da cadeia alimentar e deixando outros a jogar à apanhada. Outro título da Premier League na temporada acabada de terminar e significa que o City já conquistou quatro títulos de campeão nas últimas cinco temporadas.

No entanto, apesar das muitas façanhas de Guardiola, grande parte das suas críticas têm vindo a basear-se no seu fracasso a nível continental. Por contexto, Guardiola conquistou apenas dois títulos da Liga dos Campeões na sua carreira de treinador.

Guardiola ganhou a Liga dos Campeões com o Barcelona em duas ocasiões, uma em 2009 e outra em 2011, mas foi a última vez que ergueu o troféu, como que falhou com Bayern Munique e City. Desde aquela Liga dos Campeões, em 2011, a sua segunda no Barcelona, não conquistou desde então o troféu. Ele só esteve perto uma vez, perdendo a final para o Chelsea em 2021.

No Manchester City, Guardiola passou agora seis temporadas no clube – o mais longo que esteve em qualquer lado – mas não conseguiu entregar um título de campeão da Liga dos Campeões. Mais críticas vêm do facto que ele tem bastante dinheiro à sua disposição, mas continua a falhar, apesar de se gabar, sem dúvida, da melhor potência financeira da Europa.

Ler:  O alinhamento mais decepcionante da Premier League da temporada

Tudo isto levanta a questão; é agora o tempo para o City desistir com o espanhol, se não conseguir ganhar-lhes a Liga dos Campeões depois de sete vezes a tentar.

O City esteve perto, mas não o suficiente.

É irônico pensar que na última década, todas as equipas geridas por Guardiola entraram em todas as campanhas da Liga dos Campeões como as favoritas a vencer. O espanhol pode dominar o futebol da Liga em todas as frentes, mas a sua proeza tática deixa-o sempre com demasiado ‘overthinking’, como dizem muitos adeptos.

Com o Manchester City, o desgosto tem sido mais do que avassalador. De facto, tal como em 2020, Guardiola ainda não tinha ultrapassado os quartos-de-final com o City, sofrendo várias saídas entre 2016 e essa altura.

Em 2021, o desânimo chegou ao mais alto nível. A derrota na final da Liga dos Campeões de 2021 frente ao Chelsea juntou-se à noção geral de que Guardiola ‘pensa demasiado’ nos jogos cruciais, com seleções desnecessárias e táticas excessivamente desnecessárias. Nada disso entrou em jogo num decepcionante colapso das meias-finais frente ao Real Madrid em 2022.

Os atuais campeões da Premier League saiu da competição nas circunstâncias mais inesperadas. O Real Madrid marcou dois golos no tempo de paragem para forçar o jogo ao prolongamento, antes de Karim Benzema garantir uma vitória por 3-1 (6-5 no total) para enviar os gigantes espanhóis para a final frente ao Liverpool.

Não pode aproximar-se mais para o City e mais uma tentativa falhada talvez cresça a noção de que Guardiola não pode entregar um título da Liga dos Campeões sem Lionel Messi.

O que disse Guardiola sobre a conquista da Liga dos Campeões com o Manchester City

Aos olhos do público, Guardiola foi contratado pelos os donos do City com um grande objetivo – entregar o título da Liga dos Campeões. O jogador de 51 anos partilhou um sentimento de conversa antes do jogo do City nos quartos-de-final frente ao Real Madrid, em 2020.

Ler:  Os resultados mais surpreendentes da história da Premier League

Ele diz “Quero ganhar a Liga dos Campeões”

“Estou a sonhar com isso e estou entusiasmado por me preparar para o jogo contra o Madrid nas próximas duas semanas.”

“Se não os vencermos, o presidente ou o diretor desportivo virão e dirão: ‘não é bom o suficiente, queremos a Liga dos Campeões, vou despedir-te’.

Esses comentários vêm de um homem que deve ter dito a realidade das coisas. Contrasta com os comentários mais recentes feitos pelo espanhol, recuando na declaração acima, acrescentando que não foi contratado para entregar uma Liga dos Campeões no Etihad.

“Na época passada, perdemos a Liga dos Campeões. Foram 13 jogos. Ganhámos 11, empatámos um e perdemos um”, disse à Sky Sports.

“Se perdemos a Liga dos Campeões, foi uma má época na Liga dos Campeões? Não de todo. Esta época estivemos novamente na meia-final da Liga dos Campeões.

“Queremos ganhar a Liga dos Campeões, claro. Mas quando me ligaram, não me disseram que tínhamos de ganhar a Liga dos Campeões. Nem mesmo a Premier League.”

Na realidade, podemos concordar que os comentários acima parecem ser Guardiola a tentar justificar mais uma falha, especialmente se considerarmos que o City até estava a ganhar a Premier League antes do espanhol chegar.

Agora ou nunca – faça ou quebra para Guardiola

Depois de gastar mais de 900 milhões de libras e perto de mil milhões em transferências desde a sua passagem pelo Manchester City, Guardiola não teria motivos para não ter vencido pelo menos um título da Liga dos Campeões.

A mais recente adição de Erling Haaland torna ainda mais indesculpável para o espanhol não ir até ao fim na competição. O avançado norueguês é o melhor que há quando se trata de avançados e muitos o classificam como a “peça que faltava no puzzle” na procura pelo City para uma Liga dos Campeões.

Ler:  Campeões do Título da Premier League: Quem tem mais troféus

Guardiola tem ainda mais uma temporada de contrato e o facto de ter optado por não o prolongar até que se esgote praticamente diz muito sobre o seu processo de pensamento. Ainda pode significar que o próprio espanhol poderá sair no final do contrato, se não conseguir ganhar o ‘Santo Graal’ dos troféus ao fim de sete anos no clube.

Se ele não se afastar, é muito provável que a hierarquia do clube lhe agradeça por fazer do City uma equipa temida na Europa, mas talvez tenha de cortar laços com ele para um treinador com pedigree da Liga dos Campeões.

Um especialista em Zinedine Zidane continua sem emprego e está alegadamente a aguardar o emprego de treinador francês. No entanto, quem pode dizer que a perspetiva de liderar uma equipa de topo no Manchester City, aliada a um salário gordo, não pode forçar o francês a mudar de ideias.

Share.
Leave A Reply