É difícil acreditar que nesta altura da sua temporada, o Liverpool encontra-se na 10ª posição na Premier League. É uma temporada que viu a equipa de Jurgen Klopp chegar a novos mínimos sem, aparentemente, não ter ideia de como dar a volta à sua sorte neste momento.

Quando o Liverpool sofreu aquela embaraçosa derrota por 4-1 frente ao Nápoles, foi visto por todos como um acaso e um mau dia no escritório que pode acontecer a qualquer equipa, mas pouco sabíamos que era apenas uma antevisão do que estava para vir.

Desde então, houve vários pontos na sua temporada em que se pensaria “certamente que não pode ficar pior do que isto?” e algo ainda pior acontece.

A derrota de choque com o recém-promovido Nottingham Forest foi seguida por mais uma derrota chocante para o Leeds United num jogo em casa.

Esta série de duas derrotas consecutivas foi seguida imediatamente por resultados positivos que antecederam a pausa para o Mundial. A sua forma desde que regressou do Mundial tem sido alguns dos piores desempenhos do futebol que o Liverpool já jogou sob o comando do seu treinador alemão.

Desde que a pausa para o Mundial terminou, o Liverpool foi derrotado no estádio Community pelo Brentford, superado duas vezes no Estádio Amex por Brighton e Hove Albion.

Mais recentemente, foram goleados por 3-0 pelo Wolverhampton Wanderers, naquela que foi a sétima derrota da Premier League da temporada.

Por contexto, o Liverpool disputou um total de 64 jogos na época passada (todos os jogos que uma equipa inglesa poderia jogar em todas as competições) e perdeu apenas quatro vezes. O Liverpool quase duplicou esse número em apenas 20 jogos da Liga.

Uma equipa que estava perto de ganhar tudo foi agora reduzida a uma que não pode comprar uma vitória neste momento. Já não são os mesmos monstros mentais.

Os adeptos estão a apontar os dedos em várias direções, à procura de alguém que assuma a culpa e enquanto alguns culpam os jogadores e a direção, outros têm dirigido a sua frustração ao treinador, Jurgen Klopp.

Então, porque é que o Liverpool está a ter dificuldades?

Neste artigo, tentamos dar sentido a toda a situação deles. Os problemas do Liverpool estão espalhados por muitas secções do clube, uma vez que há diferentes partes que são defeituosas.

Reconstrução da equipa

Não há dúvida de que o Liverpool reuniu uma das melhores equipas da era moderna da Premier League e que colheu as recompensas do recrutamento inteligente pelo FSG ao longo dos anos, mas agora parece que chegou ao fim e os adeptos desejam uma mudança em direção.

Ler:  Erik ten Hag realmente melhorou o Manchester United?

Eles podem ter acertado na primeira vez com o recrutamento, e isso foi visível com o seu plantel no ano passado e alguns dos seus atuais plantéis, mas o seu recrutamento desde então tem sido gravemente escasso.

Devido à quantidade de sucesso que o Liverpool conseguiu alcançar nos últimos anos, o clube deixou de olhar para o longo prazo e dificultou o seu planeamento para o futuro. Um exemplo disso é o meio-campo do Liverpool.

Desde a chegada de Naby Keita no verão de 2017, Thiago Alcântara é a única opção no meio-campo que assinou pela equipa principal. Também trouxeram Arthur Melo por empréstimo, mas ele ainda não chutou uma bola devido aos seus problemas com a lesão.

O trio de meio-campo inicial do Liverpool de Fabinho, Jordan Henderson e Thiago são todos jogadores na casa dos 30 anos que não têm a resistência que outrora tiveram e não têm substitutos suficientes para correr grandes distâncias como Klopp quer em todos os jogos.

Já há óbvio algum tempo que a falta de opções suficientes do Liverpool no meio-campo poderia eventualmente ser a sua ruína e no verão passado teria sido uma boa altura para adicionar reforços do meio-campo (não por empréstimo), mas decidiu, estranhamente, fazer outra coisa.

O Liverpool contratou Darwin Nunez, do Benfica, por 100 milhões de euros, e Fábio Carvalho, um talentoso e jovem médio ofensivo que não é de todo o perfil de jogador que o Liverpool gosta no meio-campo. Entraram na época sem um meio-campo forte e estão agora a pagar por isso.

Quando chegou janeiro, parecia a oportunidade perfeita para o Liverpool trazer um médio que precisava desesperadamente, mas em vez disso acrescentaram outro atacante à sua já forte linha de ataque e gastaram 42 milhões de euros na sensação do Mundial, Cody Gakpo.

Enquanto alguns estavam emocionados por vencer o Manchester United pelo negócio, outros estavam preocupados com as poucas opções que ainda tinham no meio-campo.

Não tentaram reforçar as suas opções no meio-campo e as suas novas contratações no ataque não estão a marcar golos suficientes em momentos importantes para empurrar o clube de Merseyside mais para cima da tabela da liga. Estão num buraco profundo que cavaram sozinhos. Quando se considera a terrível forma de Fabinho, especialmente até agora nesta temporada, a sua decisão parece cada vez mais preocupante.

Não é de admirar que a base de fãs queira que o FSG saia.

Lesões e Fadiga

Com a quantidade de futebol de que um atleta de alto nível tem feito parte nos últimos 18 meses, não é impossível para eles sofrerem de fadiga acumulada e isso é verdade especialmente para os jogadores do Liverpool. Como mencionado anteriormente, os Reds jogaram todos os jogos disponíveis durante uma temporada inteira em 2021/22. Chegaram a todas as finais da Taça e estiveram na corrida pelo título com o Manchester City até ao último dia da temporada.

Ler:  Prémios da 28.ª jornada

O confronto com o Manchester City no Escudo Comunitário aconteceu apenas 63 dias depois da derrota final do Liverpool na Liga dos Campeões frente ao Real Madrid, tornando-se a terceira temporada mais curta da história do clube. Isto significava que haveria pouco tempo para os jogadores descansarem entre as estações, o que seria um enorme problema.

Em agosto, o Liverpool já tinha 10 jogadores na sala de tratamento. Neste momento, o Liverpool tem Luis Diaz, Virgil Van Dijk, Diogo Jota e Arthur todos lesionados com a maioridade do plantel disponível a lutar pela forma.

O estilo de jogo de Jurgen Klopp exigia que a sua equipa estivesse em excelente condição física e mental e todas as lesões que sofreu em diferentes pontos esta temporada sugerem que estão longe de estar em boas condições físicas. Com todas as lesões importantes que tomou, especialmente recentemente, é seguro assumir que a sua forte mentalidade de equipa também diminuiu.

Jurgen Klopp é o problema?

Bem, uma parte da base de fãs do Liverpool parece pensar assim e eles têm o direito de pensar que sim. O alemão cortou uma figura frustrada na linha de toque e em conferências de imprensa. Algumas das desculpas que ele deu têm sido frustrantes para ouvir por alguns dos fãs.

Desde o discurso sobre os relvados secos no início da temporada, depois do empate frente ao Fulham, até à questão das táticas de jogo do Brentford, tudo está um pouco enjoado neste momento.

Talvez o maior defeito de Jurgen Klopp seja a sua lealdade. Quando comparamos esta equipa do Liverpool com a equipa do Manchester City com quem competiram nos últimos 5 anos para o título da Premier League, nota-se que a equipa de Pep Guardiola viu as caras-chave saírem e novas caras virem para fortalecer a equipa.

Para o Liverpool, a estratégia “se não está partido, não a corrija” e a preferência por Jurgen Klopp continuar na mesma veia fez com que toda a hierarquia se tornasse complacente com o futuro do clube. A falta de uma remodelação adequada do plantel colocou-os numa situação em que ainda jogam James Milner, de 36 anos, no meio-campo ou no lateral-direito.

A má forma de Fabinho esta temporada é a resultado de jogar uma tonelada de futebol no último ano sem ter qualquer cobertura para ele é outro indicador.

Ler:  Fantasy Premier League Semana do Jogo 17: Escolhas de transferência gratuitas após o Mundial

Esta temporada mostrou a necessidade de uma remodelação do plantel e os relatos sugerem que Klopp também quer uma potencial reconstrução do plantel, mas muitas coisas podem acontecer entre agora e o final da temporada. Klopp assinou um novo contrato com o Liverpool em abril passado, que se prolonga até 2026, mas se a fortuna do Liverpool não mudar no tempo, a hierarquia poderá ter de considerar a sua posição.

Quem pode substituir Jurgen Klopp?

Se as coisas continuarem de mal a pior para o Liverpool e decidirem demitir o treinador, haverá treinadores de topo no mercado prontos para substituir Jurgen Klopp. Vamos fazer uma pequena lista de treinadores que podem assumir a posição de treinador do Liverpool se isso acontecer.

Thomas Tuchel: O antigo treinador do Chelsea está desempregado desde que foi despedido no início da presente temporada e a perspetiva de gerir outra grande equipa inglesa vai definitivamente interessar-lhe.

O alemão já tem uma reputação estabelecida como um dos melhores treinadores do planeta e é vencedor da Liga dos Campeões.

Diego Simeone: Diego Simeone como treinador do Liverpool vai indicar uma mudança distinta no estilo de futebol que já está a ser jogado em Anfield neste momento. Independentemente deste caso, Simeone é o tipo de treinador que gostaria de um clube como o Liverpool e da atmosfera que pode gerar.

Pep Lijnders: Certamente, o braço direito de Jurgen Klopp será considerado para o emprego. Pep Lijnders é muito respeitado por Klopp, bem como pelas pessoas em torno do Liverpool, e está prestes a tornar-se treinador principal quando o tempo de Klopp no Liverpool terminar. Se Klopp for despedido, ou partir por qualquer outra razão, a hierarquia podia dar-lo o emprego.

Julian Nagelsmann: Outro alemão nesta lista é o treinador do Bayern Munique. Com a sua equipa numa séria batalha pelo título, e se o Bayern não vencer a Bundesliga, pode significar o fim do tempo de Nagglesmann na Baviera. Se ele sair ao mesmo tempo que Klopp, então o Liverpool vai definitivamente procurar fazê-lo entrar.

Steven Gerrard: Um regresso a Anfield para a lenda do Liverpool e o maior jogador de sempre Steven Gerrard seria um conto de fadas, mas eis a questão do tempo de Gerrard na Premier League como treinador do Aston Villa que não correu bem e foi despedido no início da presente temporada.

No entanto, fez um trabalho muito bom no Rangers, e os Glasgow Rangers são uma das maiores equipas da Escócia. Ganhou a Liga com eles, por isso entende as exigências de gerir um grupo de jogadores que procuram ganhar títulos e o Liverpool pode levar esse facto em consideração.

Share.
Leave A Reply