Cristiano Ronaldo e o Manchester United rescindiram o acordo por motivos mútuos após a entrevista à Bombshell que expôs muito.

No mesmo fôlego, os donos do Manchester United, a família Glazer, colocaram o clube à venda.

Coincidência?

Talvez sim, talvez não.

No entanto, uma coisa é certa: Cristiano Ronaldo iniciou uma nova era para o clube. Provavelmente não da maneira que queria, mas aconteceu.

Vamos ver o que aconteceu mais de perto.

O que sabemos

Aqui estão os factos:

Os Glazers são donos do Manchester United desde 2005. Nesse tempo, tornaram-no num dos clubes mais bem sucedidos em termos de marketing.

Do lado do futebol, pouco mudou. De facto, o clube passou pelo seu período mais mal sucedido sob a propriedade da família bilionária americana.

Sir Alex Ferguson deixou o clube depois de mais de duas décadas no comando, no qual construiu o clube no mais bem sucedido da história do futebol inglês. Desde que saiu, as fortunas do futebol do clube caíram abaixo do par e o Manchester United é agora considerado um clube que vive da glória passada.

Nenhum treinador, além de José Mourinho, conseguiu ganhar um troféu desde que o lendário escocês saiu. Nesse tempo, o clube, sob os olhos atentos dos Glazers, gastou milhares de milhões para fortalecer o seu plantel, mas nenhuma das suas contratações teve grande impacto.

Também viram as suas instalações irem de mal a pior nesse tempo, provocando constantes protestos de adeptos, ex-jogadores e alguns dos famosos adeptos do clube.

O movimento #GlazersOut tem estado forte durante grande parte de uma década e até levou ao adiamento de jogos devido aos protestos dos adeptos em Old Trafford. É seguro assumir que os Glazers têm estado sob pressão para deixar o clube.

Ler:  Analisando as top 10 hipóteses do Brentford na Premier League 2022/23

Mas será que Ronaldo forçou a sua decisão a finalmente vender depois de não ouvir os pedidos anteriores para que saíssem no passado?

Uma entrevista bem cronometrada

A história da entrevista é aquela que muitos têm dado interpretações diferentes.

Acredita-se que o cinco vezes vencedor Ballon d’Or foi ingénuo com o seu timing, uma vez que o clube estava apenas a ganhar força na temporada. No entanto, outros acreditavam que Ronaldo apontava outros incidentes na temporada como prova.

O antigo jogador do Real Madrid faltou à pré-época por motivos pessoais, o que revelou ser a hospitalização da filha. Convenientemente, o infeliz incidente aconteceu quando o seu agente, Jorge Mendes, esteve em sérias discussões com alguns clubes e houve rumores de que estava perto de arranjar uma saída do clube para ele.

Ronaldo também tirou todo o brilho de uma dura vitória contra o Tottenham Hotspur, saindo do relvado com raiva quando lhe pediram para entrar como suplente no final do jogo pelo treinador do United, Erik ten Hag. A imprensa focou-se nas ações do jogador de 37 anos em vez do desempenho da equipa de Hag na noite, que foi uma das melhores prestações da equipa até essa altura.

E assim que o clube começou a ficar em forma, a entrevista aconteceu para levar-lhe toda a atenção.

“Na minha vida, o melhor timing é sempre o meu timing”, disse Ronaldo na sua primeira aparição mediática desde a entrevista. “Não tenho de pensar no que os outros pensam. Falo quando quero. Os jogadores conhecem-me muito bem há muitos anos e conhecem o tipo de pessoa que sou.”

Estas declarações dão credibilidade ao pressuposto de que o craque português tinha um plano de ataque bem traçado contra o clube, que afirmou na entrevista o treinador ter-lhe mostrado tanto desrespeito e ter ignorado o seu estatuto no futebol mundial.

Ler:  Seleções finais do Euro 2024 para todas as seleções nacionais

O seu objetivo de deixar o clube no início da época foi agora alcançado, uma vez que o período do Campeonato do Mundo dará tempo ao seu agente para trabalhar e encontrar um novo clube para ele antes da janela de transferências de janeiro.

É também um momento para ele se deliciar com o seu novo recorde de ser o único homem a ter marcado em cinco torneios diferentes do Campeonato do Mundo. Tornou-se também o terceiro homem a ser o mais velho e mais jovem goleador do seu país, e o segundo homem mais velho a marcar num Mundial.

A questão permanece: as críticas de Ronaldo aos Glazers obrigaram-lhes a vender depois de teimosamente evitar pedidos anteriores durante uma década?

Por que os Glazers estão dispostos a vender agora

Ninguém pode realmente saber a resposta a esta pergunta.

No entanto, é certo que Ronaldo abordou as mesmas questões que têm prejudicado o clube nos 17 anos de propriedade dos Glazers.

“O Manchester United é um clube de marketing – eles recebem dinheiro do marketing”, disse ele. “Vai ser difícil para o Manchester estar no topo do jogo nos próximos dois ou três anos.

“Os donos do clube, os Glazers, não se importam com o clube, e o desporto profissional.”

Ronaldo prosseguiu falando de como as infraestruturas do clube não mudaram desde que deixou o clube há 12 anos, ao mesmo tempo que proclamava que o clube tem de ser demolido e reconstruído e ele apresentou-se como o primeiro cordeiro sacrificial.

Isso pareceu-me nobre num certo sentido e fez parecer que tudo o que ele fez foi pelos adeptos, apesar da sua opinião pessoal com a forma como percebia o clube e como foi tratado desde que regressou.

Ler:  Adeptos do Chelsea não devem entrar em pânico após derrota do Brighton

O anúncio da venda do clube ocorreu quatro horas depois do anúncio da rescisão do contrato de Ronaldo por mútuo consentimento. Desde então a resposta dos Glazers para a entrevista veio.

De forma indiferente, Avram Glazer, falando em nome da sua família, disse: “Vou falar-vos de Cristiano Ronaldo, ele é um grande jogador do Manchester United.

“Agradeço tudo o que ele fez pelo clube e desejo-lhe muita sorte no futuro, muito obrigado.”

Sublinhou ainda que as discussões tinham começado muito antes da bomba de Ronaldo, um facto que tem sido corroborado pela comunicação social.

Acredita-se também que a venda de Chelsea e Newcastle United, bem como o processo em curso de venda do Liverpool influenciaram a decisão dos Glazers.

A verdade é que a entrevista de Ronaldo é demasiado oportuna para não lhe dar algum crédito por fazer o que os gostos de Gary Neville, Rio Ferdinand, Paul Scholes e Roy Keane tentam fazer há quase 10 anos.

E qualquer que seja o facto, as emoções serão provavelmente o principal fator neste debate e não haverá decisões certas ou erradas sobre o assunto, desde que os adeptos do Manchester United consigam o que querem: a saída dos Glazers.

Share.
Leave A Reply