Uma nova temporada na Premier League começou na última sexta-feira à noite e já nos deu uma visão interessante do que poderíamos esperar na temporada que se avizinha. Algumas equipas mostraram potencial para fazer grandes coisas, outras nem tanto. Estreias emocionantes de jogadores e o início de um novo regime de gestão em algumas equipas.

Na nossa primeira parte das previsões do top 10, aqui estão alguns pontos de conversa antecipada que o fim de semana de abertura produziu.

 

Leicester City arrisca despromoção

Os Foxes começaram a sua campanha com um empate 2-2 frente ao Brentford. Depois de uma hora de futebol cintilante numa nova formação que envolveu um cinco nas costas e um diamante do meio-campo, o Leicester sofreu um terrível colapso que os viu sofrer dois golos nos últimos 30 minutos de jogo. Ivan Toney e Josh Da Silva marcaram os golos que garantiram os pontos para a equipa de fora, após golos de Timothy Castagne e um fantástico remate de Kiernan Dewsbury-Hall deu ao Leicester o que parecia uma confortável almofada de dois golos.

Com a falta de recrutamentos de verão para reforçar áreas-chave, lesões no início da época para jogadores-chave como Harvey Barnes e Ricardo Pereira e a possibilidade de perder o defesa-central Wesley Fofana, não está a correr bem para o Leicester entrar na nova campanha e podem ser arrastados para uma batalha de despromoção em que não têm estado desde que ganharam a promoção à divisão.

Algumas das prestações demonstradas por equipas à sua volta como Newcastle e Brighton, bem como equipas recém-promovidas como Fulham e Bournemouth, podem ser um indicador desse facto. Vai ser uma longa temporada para os fãs dos Foxes.

 

Newcastle vai garantir um lugar europeu

Uma vitória confortável por 2-0 sobre o recém-promovido Nottingham Forest vê o Newcastle em quarto lugar após a primeira ronda de jogos. O início ideal para a temporada. Fabian Schar e Callum Wilson foram os goleadores no último sábado à tarde e a prestação viu-os iniciar esta campanha na mesma linha em que terminaram a última.

Ler:  O que o novo técnico do Tottenham, Ange Postecoglou, deve fazer?

Esta foi a terceira vitória consecutiva na Liga e a sétima vitória em nove jogos que remontam à época passada. Mostraram a forma e a qualidade de uma equipa que é boa o suficiente para competir nas competições europeias.

Tiveram a sexta maior classificação de posse de bola no fim de semana, com 62%, bem como mais remates (23) e remates à baliza (9) na divisão. Eles sufocaram uma equipa florestal que rapidamente perdeu a sua organização e ficou sem ideias.

A temporada é longa e dura, mas os Magpies têm a capacidade para ganhar um lugar na Liga Europa e começar o seu regresso sendo um das grandes equipas do continente. Enquanto jogadores-chave como Callum Wilson e Bruno Guimarães se mantiverem saudáveis e a equipa mantiver a sua união, as possibilidades para esta equipa sob o comando de Eddie Howe são enormes.

 

Manchester United vai falhar os quatro primeiros lugares

O United só ganhou o sétimo lugar no último dia da campanha no ano passado, devido a um resultado do West Ham que os favoreceu. O seu destino não estava nas suas mãos, mas conseguiram garantir a passagem à UEFA Europa League.

O alvo ideal para esta temporada será voltar a ser os quatro melhores candidatos, mas todas as esperanças pareciam estar mortas à chegada após uma embaraçosa derrota para Brighton e Hove Albion. Os Seagulls castigaram os erros do United na posse de bola e marcaram dois golos bons, mas fáceis em transição, marcados por Pascal Groß.

Raramente pareciam estar em perigo de perder o jogo e impedindo o esforço tardio do United para empatar, depois de um autogolo de Alexis Mac Allister, aos 68 minutos.

O United mostrou flashes de bom futebol e criou duas grandes oportunidades para Marcus Rashford, que não conseguiu converter mas, em geral, os mesmos problemas que tiveram na época passada mostraram outra vez no início desta.

Ler:  Os Comebacks Icônicos da Premier League - Qual é o Melhor?

A janela termina dentro de algumas semanas e o United ainda tem a oportunidade de assinar o médio que quer em Frenkie De Jong ou olhar para outros alvos, com Adrien Rabiot o nome principal nas manchetes. A persistência do United com De Gea e a emprestar Dean Henderson significa que a sua situação de guarda-redes não é fácil de corrigir e que terá de viver com as consequências dessa decisão durante toda a temporada.

Foram a única equipa entre os seis melhores da época passada que começou a temporada com uma derrota. Com essas equipas a fortalecerem os seus já fortes plantéis, parece que o melhor que o United vai conseguir fazer é o sexto lugar nesta campanha, a menos que sejam feitas mudanças drásticas no próximo mês.

 

Arsenal vai regressar à Liga dos Campeões

Do outro lado da moeda está o Arsenal. Ao contrário do Manchester United, a equipa de Mikel Arteta iniciou a temporada com uma forte vitória sobre o Crystal Palace no Selhurst Park.

Na noite de sexta-feira, Olexander Zinchenko, Gabriel Jesus e William Saliba estrearam-se nos Gunners com Jesus, com o francês a ser o melhor jogador, enquanto Zinchenko teve um jogo bom.

Jesus proporcionou alguma guile, taxa de trabalho e movimento consistente no ataque e através da linha da frente. Não marcou na sua estreia, mas a sua prestação mostrou que há golos num futuro próximo para o ex-jogador do Manchester City.

William Saliba teve uma exibição sólida na defesa. Lidou bem com a fisicalidade do ataque do Crystal Palace e fez interseções cruciais. Se ele continuasse a mostrar a mesma forma para a sua equipa, ele teria provado o seu treinador, que tomou a decisão de o emprestar nas últimas três temporadas, correto.

Houve alguns momentos defensivos tremidos e, por vezes, perdeu o controlo da partida, mas foi uma performance em grande parte encorajadora que os adeptos podem ficar para trás. Com Fábio Vieira ainda a estrear, pode dizer-se que esta nem sequer é a sua melhor equipa.

Ler:  É agora ou nunca para Guardiola e City vencerem a Liga dos Campeões

Depois de ter apenas falhado garantir um lugar na liga de campeões na época passada, o Arsenal tem um plantel mais forte e mais profundo do que da última vez e vai fazer um melhor esforço para o quarto lugar. Quem sabe? Talvez eles possam empurrar para o terceiro lugar!

 

Haaland vai marcar 30 golos na Liga

Lá se vai o “imposto da Bundesliga”. Erling Haaland iniciou a sua carreira no Manchester City contra o West Ham com dois golos na estreia. Aqueles dois golos garantiram a vitória para os campeões da liga no London Stadium e o seu desempenho global nesse jogo mostra porque é que esta não é uma declaração estranha.

Durante 90 minutos, foi um corredor incansável atrás da defesa dos Hammers e as duas vezes que recebeu a bola atrás da linha defensiva, ele não foi apanhado. O seu ritmo rápido ajudou-o a chegar à bola à frente do guarda-redes do West Ham, que derrubou o norueguês e sofreu uma grande penalidade eventualmente o que era despachada por Haaland para o seu primeiro golo.

Na segunda parte, ele  recebeu a bola atrás da linha defensiva e viu-se um a um com o guarda-redes e o seu remate foi decisivo.

Já se podia ver a ênfase do City em fazê-lo chegar ao fim das oportunidades, com cruzamento consistente para a caixa e passes atrás da defesa.

Ainda houve situações em que os seus colegas de equipa o podiam ter encontrado depois de ele ter feito uma corrida atrás da defesa, mas podes atribuir isso ao facto de a relação entre o Haaland e os seus novos colegas de equipa ainda estar a desenvolver-se. É assustador.

A única coisa que impede Haaland de atingir 30 golos na Liga esta temporada é a sua condição física. Tem um historial de lesão, mas se a sorte estiver do seu lado e se mantiver apto para a temporada, poderá levá-los ao terceiro título consecutivo liga pela primeira vez na história da Premier League do clube.

Share.
Leave A Reply