Alguém pode parar o domínio do Manchester City no futebol inglês? Esta é uma grande pergunta que parece difícil de responder. Na realidade, porém, a resposta é sim, mas não será nada fácil.

Ao longo dos últimos anos, tornou-se comum ver várias léguas em toda a Europa descritas como a “liga dos agricultores”. O termo é basicamente usado como uma frase depreciativa para criticar uma liga por não ser competitiva e dominada por um lado continuamente. A Bundesliga, a Ligue 1 e a Série A têm sido os principais culpados desta ‘tag’.

O termo “liga dos agricultores” tornou-se particularmente popular entre os adeptos ingleses que acreditam que a Premier League é um pouco superior a várias ligas onde os vencedores são mais ou menos conhecidos antes do início da temporada. Não é de estranhar que a Premier League seja atualmente apontada como a liga “mais forte” e mais competitiva do mundo.

Antes de cada temporada na Premier League, fala-se muito de quatro ou cinco favoritos iguais, acreditando que podem desafiar para o primeiro lugar, levando às famosas equipas dos ‘seis grandes’. Noutros locais, alguns são de opinião que para as principais ligas em França, Alemanha e Itália, é fácil saber os campeões pela frente.

No entanto, o Manchester City já conquistou quatro títulos da Premier League nas últimas cinco temporadas e não se pode deixar de pensar se essa não é outra descrição de uma “liga de agricultores”. Para além do Liverpool, que deu aos homens de Guardiola uma corrida difícil na campanha acabada de terminar, o City liderou o Chelsea, terceiro classificado, com 19 pontos, e isso praticamente diz muito.

Desde que Pep Guardiola assumiu o comando do Manchester City em 2016, tornaram-se uma força dominante ainda mais forte em Inglaterra e quase se pode apostar que eles ganham o campeonato antes de cada temporada começar. No entanto, os Cidadãos não subiram ao topo num só dia e vamos analisar o que as outras equipes podem fazer para reduzir o fosso e acabar com o monopólio do lado de Manchester ao longo da última década ou assim.

Ler:  Os incidentes de cartão vermelho mais infames da história da Premier League

Dinheiro para gastar

É claro que Guardiola receberá muitos elogios por construir uma equipa que se tornou bastante difícil de derrotar, mas quantas equipas se podem gabar do poder financeiro que os Cidadãos têm? A fortuna do Chelsea deu um rumo positivo quando Abramovich assumiu o comando do clube em 2003 e o mesmo não é diferente para o City.

No que diz respeito ao sucesso do Manchester City, é impossível que o tema do dinheiro não venha a surgir. Os clubes mais ricos foram, em geral, os mais condecorados e essa tendência está a aumentar a cada dia que passa no futebol moderno. Em França, o PSG melhor descreve esta tendência.

A cidade certamente não é diferente. Não é surpresa que tenham gasto mais do que qualquer outra equipa desde que o Sheikh Mansour assumiu o clube em 2008, com enormes quantias espalhadas por jogadores de luxo para dar a Guardiola a qualidade de moldar o seu lado numa máquina.

No que diz respeito às finanças, só o Manchester United pode aproximar-se na Premier League. O Chelsea também tinha tanto poder, mas a recente aquisição do clube por Todd Boehly deixa agora os Blues numa fase de transição, o que significa que podem não ser tão generosos como antes.

Entre as chamadas seis equipas, o Manchester City tem a maior potência financeira e isso dá-lhes vantagem sobre os rivais antes mesmo do início da liga. O Newcastle poderá ainda ser o mais recente lado a ameaçá-los nesta frente, na sequência da sua recente aquisição por um Fundo de Investimento Público da Arábia Saudita. No entanto, ainda vão precisar de muito tempo para implementar uma estratégia.

This is an important factor that could keep City on top for a while, but the sooner the financial power between them and other sides can be reduced, the less their advantage in throwing money around abundantly to attract players.

Ler:  Antevisão de Aston Villa vs Olympiacos

Ter um plano de jogo estável

O dinheiro pode mudar a fortuna de um clube para melhor, mas investir dinheiro sem uma gestão adequada ainda vai acabar mal. Enquanto o City beneficiou com o dinheiro de Sheikh Mansour fora do campo, eles beneficiaram mais de um tático espanhol em Pep Guardiola.

O antigo patrão do Barcelona tornou o estilo ‘tiki-taka’ famoso durante a sua passagem por Espanha e também implementou um estilo de jogo semelhante ao Manchester City, mas mais avançado desta vez. O Manchester City é conhecido pelo seu futebol de alto nível e fluido, que começa na defesa, incluindo o guarda-redes.

À parte o City, o Liverpool é a única outra equipa do campeonato com um estilo de jogo definido e não é surpresa que os reds tenham sido os segundos melhores para os homens de Guardiola nos últimos tempos.

vangloriar-se um plano de jogo estável é a razão pela qual vários jogadores podem encaixar-se em diferentes posições sob Guardiola, simplesmente porque só têm de seguir o plano. Isto ajudou a sua equipa a coesão adequada e ajudou-os a dominar 80% dos seus jogos sob Guardiola.

Para impedir o “brilhantismo” do City, mais equipas da Premier League têm agora de desenvolver os seus próprios planos de jogo e manter-se-lhes, o que, por sua vez, os tornará mais difíceis de quebrar como uma unidade.

Profundidade adequada do esquadrão em todas as áreas do campo

Quantas vezes já vimos muitas vezes as equipas sofrerem uma queda de forma devido a uma lesão de um ou dois craques? Não é o caso do Manchester City, pois cada jogador é mais ou menos uma estrela.

Com o City, nem sempre se trata de um homem. Tendo em conta a temporada 2021/22, quinze jogadores diferentes marcaram duas ou mais vezes pela equipa de Guardiola na Premier League. Riyad Mahrez foi o melhor marcador em todas as competições, com 24 golos, mas pelo menos cinco outros jogadores marcaram até 10 golos.

Ler:  Mundial do Qatar 2022: Coisas que pode ter perdido

Na campanha de 2020/21, o Manchester City fez mais de 10 jogos sem o seu melhor jogador, Kevin de Bruyne, mas isso não os impediu de forma alguma. Na sua ausência, Ilkay Gundogan levantou-se para a ocasião e mostrou que também tinha magia nas botas. A presença de Bernardo Silva e Ilkay Gundogan significa que o City terá sempre uma fonte de magia no meio-campo, mesmo sem a sua estrela belga.

No flanco, é mais uma vez ridículo, pois eles têm qualidade suficiente para deixar jogadores como Raheem Sterling, Mahrez e Gabriel Jesus no banco em várias ocasiões. É por isso que este último está talvez a olhar para uma mudança noutro lado, com o Arsenal fortemente ligado ao brasileiro.

Se as equipas se fortalecerem tanto que se gabam de qualidade superior mesmo no banco de suplentes, deixaria toda a gente em algo próximo de um nível de jogo. Infelizmente, este ponto volta mais uma vez em torno do dinheiro e mostra o quanto o jogo moderno está rapidamente a tornar-se tudo sobre lucro e comercialização.

Share.
Leave A Reply